domingo, 22 de abril de 2018

Eu vivo pra me sufocar


            Muito antes de saber que vagrant significa errante em inglês, eu joguei um jogo chamado vagrant story. Eu era um riskbreaker e aprendia magias novas através de grimórios. Muito se falava sobre o grimório definitivo, que continha o segredo da magia mais foda. E eu passei meio jogo procurando um livro. Até que um inimgo perguntou "¿Mas porque vc acha que o grimório definitivo é um livro?" O grimório definitivo era uma tatuagem enorme nas costas do cara que fez a pergunta. Eventualmente eu consegui uma tatuagem igual para aprender a magia que eu precisava.

                A idéia de uma tatuagem nas costas vem precisamente desse jogo.

             Há uma música da blackbirds que diz "eu quero uma nova guia".  Como filho de Iansã, eu sempre achei que guia era uma coisa. Mas ontem eu vi que não. E perguntei pra mim mesmo sorrindo "¿Porque vc pensou que guia é um cordão de colocar no pescoço.?

                E, como fez dezenas de vezes antes, minha irmã me ajudou a me encontrar.


quinta-feira, 19 de abril de 2018

A lo lejos

         Tem duas poesias que eu sempre me lembro quando vejo o mar. A Cecília Meireles colocando o sonho dela num navio e  os versos mais tristes do Neruda.




E mais de 100 vezes eu gritei esses versos dentro da água. mas nunca foi a última dor. 
E nunca será, por que minha alma nunca aceita que eu a perdi.

terça-feira, 17 de abril de 2018

Antes de Nietzsche e Tool, Pearl Jam e Júlio Verne

           Divido as fazes da minha vida em bandas e autores. Sempre um e outro. Sempre um ao mesmo tempo que o outro.  Mas houve uma vez dois verões em que eu li Neruda.  E naqueles verões e não toquei nada. Nada poderia ser mais musical que um chileno apaixonado.  Em vez de tocar eu escrevia poesias na areia entre as ondas e  as dunas. A solidão me partia em dois e eu não tive opção a não ser aprender a me reconstruir mais rápido do que me desmonto. 


De las estrellas que admiré, mojadas
por ríos y rocíos diferentes,
yo no escogí sino la que yo amaba
y desde entonces duermo con la noche.

De la ola, una ola y otra ola,
verde mar, verde frío, rama verde,
yo no escogí sino una sola ola:
la ola indivisible de tu cuerpo.

Todas las gotas, todas las raíces,
todos los hilos de la luz vinieron,
me vinieron a ver tarde o temprano.

Yo quise para mí tu cabellera.
Y de todos los dones de mi patria
sólo escogí tu corazón salvaje.

sábado, 14 de abril de 2018

Um horizonte a menos

         No xadrez abra o jogo como quem lê um livro. No meio do jogo seja um soldado que defende cada peça e cada posição. E no fim, escreva uma poesia. Essa foi a melhor lição de xadrez que eu jamais tive. 

        São fases, eu sei. Não fugir por medo não me dá aval pra fugir pra sempre. Posso correr pro mar quantas vezes quiser, mas sei que certas respostas não estão lá. A água salgada me conserta nessas madrugadas que eu fujo pra amanhecer sozinho na praia. Mas vou ter que voltar pros livros do Iung que eu não entendo e pras músicas do Tool que eu não consigo tocar.

        Dentro de uma garrafa eu tenho uma epifania. E com uma tequila eu não brindei à putaria; brindei aos sinais que ficaram anos tentando me mostrar a mesma coisa.

          Ironicamente alguém está tocando Bush no meu violão em algum lugar.

         Se meu anjo ainda estivesse aqui ele estaria gargalhando sentado na minha janela aberta. O frio me mantém focado assim como a tristeza me faz competente. O que eu quero não é importante, mas isso não significa que eu não queira muito certas coisas.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Pega-peixe é especialidade da família

        Quando nossos olhares se cruzaram eu demorei o tempo de uma batida de coração pra perceber que ela era exatamente a pessoa que eu precisava encontrar. Soltei aquele meu riso meio suspiro enquanto pensava no trabalho que deve ter dado fazer a gente se encontrar. Ali estava minha irmã. A Dulcinéia pra me lembrar do meu trabalho. E diferenciar moinhos e gigantes é tão fácil pra ela.

          Acordei de susto e saí da cama já correndo. Ás vezes a gente sabe exatamente onde deveria estar. Eram 3 horas da manhã, eu tinha tempo, mas a urgência era justificada.

         Anos atrás o mar tomou de mim a minha fé. E levei anos para construir uma nova. Hoje entreguei minha esperança. É preciso me libertar. Não vou vencer a tempestade se insistir em ficar carregando peso inútil.